Rua Varginha, 541, Colégio Batista, 31110-130, BH-MG(31) 3273-2020/

Blog

Síndrome da Morte Súbita do Lactente Saiba O Que é

Algo que ninguém deseja, mas precisamos conhecer. A síndrome da morte súbita do lactente  que acomete bebês saudáveis durante o sono. A questão é: por que isso ocorre e como evitar?

As respostas passam pelo conhecimento do que caracteriza essa síndrome. Por isso, a seguir vamos apresentar as principais peculiaridades do problema e quais são as melhores formas de reduzir o risco de ocorrência. Vamos lá?

A Síndrome da Morte Súbita do Lactente

Sua ocorrência se refere à morte súbita de crianças aparentemente saudáveis e com até 1 ano de idade. A explicação para o falecimento geralmente é inexistente mesmo depois de investigação por meio de autópsia. Por isso, essa possibilidade apenas pode ser cogitada quando outras causas de morte forem eliminadas.

Além disso, vale a pena mencionar que a síndrome da morte súbita é um mistério e não é relacionada a falta de negligência dos pais. Atualmente, pesquisas indicam como causa um atraso na maturidade do tronco cerebral. Setor do cérebro que controla a respiração, a pressão arterial e os batimentos cardíacos.

As crianças com propensão à morte súbita são dificeis de acordadas em situações de estresse, por exemplo, excesso de calor e baixa oxigenação. É especialmente relevante destacar que essa teoria da morte súbita é reforçada por sua ocorrência em recém-nascido prematuro ou bebês com baixo peso ao nascer.

Os fatores de risco para esse problema

A possibilidade do processo de imaturidade do tronco cerebral estar relacionado à morte súbita de bebês é, muitas vezes, insuficiente para justificar o problema.

Os médicos acreditam que o problema é derivado de diferentes fatores.

O indicado é que os pais estejam atentos as situações que aumentam as chances de problemas. Elas foram reunidas a partir do relato dos pais, que identificaram pelo menos um fator de risco.

Veja quais contextos devem ser evitados.

Deixar o Bebê Dormir de Bruços

O ato de dormir de barriga para baixo é um risco grave para os recém-nascidos, que têm dificuldades de reconhecerem se estiverem sufocando. Na prática, essa posição tende a obstruir as vias aéreas.

Para garantir que o bebê esteja sempre de barriga para cima, o ideal é:

  • Usar colchões mais duros;
  • Sem travesseiro;
  • Lençóis ou panos ao redor da cabeça.

Por fim, o ideal é que o sono do bebê seja feito na cama mesmo, e não em bebês-conforto, carrinhos ou cadeirinhas para carro.

Deixar o bebê em ambiente muito abafado

O calor excessivo é um fator de risco. O ideal é que o quarto mantenha uma temperatura agradável. O bebê não deve usar muitas roupas ou cobertas, apenas o suficiente para se manterem protegidos. A justificativa dessa recomendação é que os recém-nascidos perdem muito calor pelo rosto e ao dormirem com muitas cobertas e roupas, portanto podem ter dificuldade para respirar e menor capacidade de dissipar calor.

Fumar durante a gravidez

O tabagismo materno é outro fator de risco e pode ser crucial para a morte súbita em bebês. Além disso, as mães que fumam durante a gravidez ou logo após o nascimento aumenta a exposição da criança com a fumaça e as toxinas de cigarro. Portanto, o resultado é uma alteração no funcionamento respiratório e cardiovascular, que prejudica a respiração e aumenta as chances de sufocamento do bebê na cama. Esse fator de risco pode sobretudo ser ampliado para o uso de drogas ilícitas ou álcool por parte da mãe.

Outros fatores que costumam elevar o risco. Entre eles estão:

  • O bebê ser menino, prematuro ou ter baixo peso ao nascer.
  • A mãe ter menos de 20 anos.

A diminuição do risco de morte súbita

A morte súbita costuma acontecer durante a noite. Portanto quando a criança está dormindo. Mas pode acontecer em outros períodos do dia. O cuidado dos pais em reduz o risco, utilizando especialmente a posição supina — quando se dorme com o rosto virado para cima. Além disso, é recomendado que os bebês não durmam na cama dos pais. Além disso, é importante08 que o colchão usado seja firme para evitar que a criança se vire durante a noite.

Por fim, a amamentação também é uma forma de contribuir para a saúde do bebê. Já que o sistema imunológico é fortalecido e qualquer alteração que pode elevar o risco de morte súbita acaba sendo afastado.

Portanto, tenha em mente que o risco de o seu bebê sofrer com a síndrome da morte súbita é pequeno, basta tomar os cuidados apresentados.

E você, já toma alguma dessas ações? Aproveite e saiba mais sobre os cuidados necessários com os bebês prematuros.

Compartilhe este post