Blog

Translucência Nucal – O que é?

Translucência Nucal ou TN é um exame realizado no primeiro trimestre da gravidez. A partir dele é possível detectar algumas doenças no feto como, por exemplo, a síndrome de Down. A TN trata-se de uma medida tirada num exame de rotina, o ultrassom morfológico e pode identificar além de anomalias cromossômicas os problemas cardíacos.\r\n\r\nA ultrassonografia é um exame simples e não invasivo, por isso não apresenta riscos para a mamãe e nem para o bebê. Dessa forma, esse exame deve ser realizado rotineiramente durante o pré-natal.\r\n\r\n \r\n

Como o exame de Translucência Nucal é realizado?

\r\nO exame de Translucência Nucal pode ser realizado de duas maneiras diferentes. A primeira delas é a partir de um exame obstétrico comum. Nele, é possível que o profissional confirme a idade gestacional medindo o tamanho do feto.\r\n\r\nEm seguida mede-se a TN, que analisa um espaço específico na nuca do bebê e o acúmulo de líquido nessa região. O valor dessa medida será dado em milímetros, podendo ser considerado risco aumentado quando alterado.\r\n\r\nA segunda maneira é realizando um exame morfológico de primeiro trimestre. Além dos dados mencionados acima esse exame considera também a idade da mãe e o histórico de filhos anteriores com Síndrome de Down. O resultado é dado em probabilidades.\r\n\r\nNo exame morfológico ainda é possível observar outros detalhes, como a presença do osso nasal, que ajudará a classificar o risco.\r\n\r\n \r\n

É possível ver na Translucência Nucal se o bebê terá Síndrome de Down?

\r\nO resultado do exame de Translucência Nucal não pode ser considerado um diagnóstico, portanto, não apresenta certeza absoluta. Ele apenas indica possibilidades e riscos da presença de algumas síndromes ou malformação. Se a medida apresentada estiver dentro do normal, você tem bons motivos para manter-se tranquila.\r\n\r\nEm resultados que apresentam alterações o médico pedirá outros exames para que algo possa ser ou não confirmado. A partir daí é necessário que todos os exames sejam feitos cuidadosamente e caso haja realmente a presença de alguma anomalia é importante que o bebê tenha o acompanhamento necessário.\r\n\r\n \r\n

Translucência Nucal aumentada, o que fazer?

\r\nSe o exame apresentou alterações, é importante conversar com um profissional da área de medicina fetal para aprofundar a investigação. Portanto não entre em pânico! Provavelmente um resultado acima da média representa uma possibilidade de o bebê ter Síndrome de Down, mas outros exames e acompanhamento são necessários.\r\n\r\nCabe ressaltar que mesmo que o ultrassom morfológico fetal do primeiro trimestre esteja normal é importante manter o acompanhamento pré-natal e realizar novos exames no segundo trimestre (entre 20 e 24 semanas de gestação).\r\n\r\n \r\n

Dúvidas Frequentes

\r\nSão vários os questionamentos em torno do exame de Translucência Nucal. Por isso, a seguir listamos e respondemos às dúvidas mais frequentes.\r\n\r\nDúvidas frequentes TN\r\n\r\n \r\n

Com quantas semanas posso fazer a Translucência Nucal?

\r\nO período ideal para a realização do exame é a partir da 12ª semana e tem como prazo máximo 13 semanas e 6 dias. Essa data é importante, pois a partir da 14ª semana o espaço observado na nuca do feto não poderá mais ser visto através do ultrassom.\r\n

*veja aqui o desenvolvimento do bebê com 12 semanas.

\r\n \r\n

Quanto custa o exame de Translucência Nucal?

\r\nO valor pode variar entre R$ 110,00 e R$ 400,00. A variação depende da clínica onde é realizado o exame. No entanto, é possível fazê-lo sem custos pelo SUS desde que haja solicitação de um obstetra.\r\n\r\n \r\n

Quais os valores de referência do exame?

\r\nOs valores normais de translucência nucal estão entre 2,5mm de comprimento e 3mm de largura. Qualquer valor acima disso deve ser analisado, porque existe o risco de que o feto tenha alguma anomalia.\r\n\r\n \r\n

Como analisar o resultado apresentado em probabilidade?

\r\nO resultado costuma ser dado em forma de probabilidade, após um cálculo matemático que leva em consideração alguns fatores como a idade da mãe, presença de outros filhos com Síndrome de Down e resultados de outros exames.\r\n\r\nUma probabilidade 1 em 500 significa que a cada 500 mulheres que tenham um resultado igual ao seu, uma terá um bebê com Síndrome de Down e 499 não. Ou seja, um risco de 1 em 50 é muito maior que um risco de 1 em 3.000, por exemplo.\r\n\r\n \r\n

Outras doenças podem ser identificadas através da ultrassonografia gestacional?

\r\nA partir do ultrassom gestacional é possível identificar vários tipos de malformações estruturais, a hidrocefalia é um dos mais recorrentes. Além disso, é possível verificar distúrbios do sistema nervoso central e alguns problemas cardíacos. Portanto é possível verificar com maior precisão o tempo gestacional da mulher, o que facilita o acompanhamento do crescimento do feto.\r\n\r\n \r\n

Por que é importante realizar a medida da Translucência Nucal?

\r\nO exame permite que você saiba o risco do seu bebê ter a Síndrome de Down. Antigamente a idade da mãe era considerado o maior fator de risco. Quando a mãe tinha mais de 35 anos o risco era aumentado. No entanto, somente cerca de 30% dos fetos com Síndrome de Down nascem de mulheres nessa faixa etária. A quantidade de fetos com essa anomalia é especialmente relevante em mulheres jovens.\r\n\r\nCom o resultado é possível ter mais segurança de que o feto é normal. Caso haja alguma anormalidade você poderá realizar outros exames e saber ainda no início da gestação se o feto tem a Síndrome de Down. Sobretudo todo tratamento tem mais chance de sucesso quando os problemas são identificados no início.\r\n\r\n

Compartilhe este post

Post Relacionados

Testes caseiros para descobrir o sexo do bebê

Testes Caseiros: após a descoberta da gravidez, saber o sexo do bebê torna-se a maior curiosidade dos...

Desenvolvimento do Bebê com 10 meses

Desenvolvimento do bebê com 10 meses: o seu bebê já tem 10 meses!\r\n\r\nNesta fase o bebê pode...

Desenvolvimento do Bebê com 9 meses

Desenvolvimento do bebê com 9 meses: é incrível como o tempo passou. De um ser tão passivo, agora...